Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

De Sedentário a Maratonista

A motivação também se treina!

Qua | 13.05.20

Quem corre à chuva... ainda bem que se molha!

José Guimarães

correr a chuva_desedentarioamaratonista.jpg

 

Tempo chuvoso não significa que temos que deixar de correr. Aliás, a maior parte das corridas não são canceladas por causa da chuva. No entanto, temos que estar preparados, para não acontecer como me aconteceu na minha primeira participação no UTAX, onde a falta de equipamento adequado quase que fez com que tivesse de interromper a corrida aos 62 km com uma hipotermia.

Se por um lado não podemos deixar de gozar a corrida que estamos a fazer, também não devemos pôr em risco a nossa saúde, muito menos nos tempos que correm, onde os cuidados com eventuais constipações ou gripes se revestem de especial importância. E isto só é possível se tivermos o equipamento adequado às más condições climatéricas.

Se estiver frio, vistam-se com camadas

Se além do tempo chuvoso estiver também frio, convém usarem mais que uma camada de roupa. A camada mais importante é aquela que fica junto ao corpo (a chamada segunda pele). Certifiquem-se que é de um tecido técnico transpirável, que evapora a água e o suor, secando ao máximo a pele. A camada externa deverá ser do tipo corta-vento e, caso seja necessário, impermeável. No entanto, este último deverá permitir a respiração, pois caso contrário, irá provocar condensação no interior, deixando-nos molhados.

Usem um chapéu com uma pala

Um boné com uma pala pode ser o vosso melhor amigo numa corrida em dia de chuva. A pala irá manter a água afastada do rosto, para que sejam capazes de ver, mesmo debaixo de chuva torrencial.

Não usem demasiada roupa

Este é um dos maiores erros que os corredores costumam fazer, quando vão correr à chuva. Usar mais camadas de roupa não vos vai manter mais secos. A não ser que levem um chapéu de chuva, se vão correr à chuva, de certeza que vão ficar molhados. Se vestirem muita roupa, vai acontecer que simplesmente vão ter de andar com mais roupa encharcada. Vistam-se de acordo com a temperatura do ar, tal e qual como se não estivesse a chover.

Dêem nas vistas

Escolham uma camada exterior que seja bem colorida, com cores garridas e preferencialmente que tenha faixas refletoras, uma vez que a chuva normalmente é sinónimo de fraca visibilidade.

Usem um saco do lixo

Se tiverem que esperar à chuva antes da corrida começar, um saco do lixo grande com um buraco para enfiarem a cabeça pode ajudar-vos a manterem-se secos. No início da corrida podem simplesmente tirá-lo e deitá-lo fora.

Usem uns sapatos velhos ao início

Se tiverem que a aguardar à chuva pelo início de uma prova, podem guardar os sapatos de corrida e as meias num saco de plástico. Mesmo antes do início, quando forem alinhar para a partida, guardem os sapatos velhos no saco da prova (se houver um) e calcem os sapatos de corrida e as meias secas. Desta forma podem – pelo menos – começar a correr com os pés secos.

Previnam as bolhas e assaduras

Se forem participar numa prova longa, espalhem um creme resistente à água, como a vaselina, nas partes do corpo onde normalmente há assaduras ou formação de bolhas: pés, interior das coxas, axilas, mamilos, etc.

Protejam os equipamentos eletrónicos

Guardem os aparelhos eletrónicos, como as máquinas fotográficas ou telemóveis, num saco estanque, facilmente encontrado em lojas de desporto.

Aproveitem a chuva!

E porque correr também se faz de grandes molhas… deliciem-se com este pedaço de boa leitura:

“Resolver andar à chuva! Criamos um alvoroço e uma irritação desnecessários quando bufamos de aborrecimento ao mesmo tempo que nos tentamos manter secos durante uma forte chuvada. Como é libertador abandonarmos todas as ideias de secura e entregarmo-nos à chuva! Não corra, ande devagar. Olhe para cima, sorria e saboreie a sensação da água vinda do céu a refrescar-lhe a cara desgastada pelas preocupações. Quanto mais molhado ficar, mais livre se irá sentir. Mal se encontre em casa, a pingar o tapete, o riso irá dominá-lo. Dispa o seu fato completamente encharcado e corra para a casa de banho (tanto melhor se por acaso não estiver sozinho). Está completamente encharcado e grandes pingos de água escorrem-lhe pelo nariz. Seque-se, envolva-se num roupão e devore um pacote de biscoitos e uma chávena de chá a ferver no sofá.”

In, O Livro dos Prazeres Inúteis, de Tom Hodgkinson e Dan Kieran 

E agora, se fazem o favor, vão lá correr, sim?

Seg | 04.05.20

Conheça os tipos de máscara que existem, alguns bons para correr

José Guimarães

mascaradeprotecao.png

 

O estado de emergência deu lugar ao estado de calamidade pública e, como tal, entram hoje em vigor novas regras para todos. Se por um lado vamos assistir à abertura de alguns espaços públicos e comércio, por outro lado, para que a normalidade seja possível, passa a ser obrigatória a utilização de alguns acessórios em alguns espaços públicos, como as máscaras. 
 
Se ir às compras com máscara é uma coisa, correr com máscara de proteção é algo bem diferente, mas pode mesmo (quem sabe?) vir a ser uma necessidade para muitos corredores.
 
Como isto é uma questão de serviço público, partilho aqui o conteúdo de um artigo muito interessante publicado no site Corredores Anónimos, sobre as cinco categorias de máscaras que existem, para as ficarem a conhecer, assim como as suas principais caraterísticas:
 
Máscara + filtro de partículas (P1, P2, P3)
  • Evita a inalação de partículas perigosas
  • Utilizada com os dois componentes, assegura um nível aceitável de proteção relativamente à inalação de partículas
  • É reutilizável
  • Não está aprovada como Equipamento Protecção Individual (EPI)
Máscara autofiltrante FFP1 (eficiência baixa), FFP2 (eficiência média), FFP3(eficiência alta)
  • Protege da inalação de partículas perigosas
  • Utilizada corretamente, garante um nível aceitável de proteção face à inalação de partículas
  • Descartável ou reutilizável, embora não se considere EPI
Máscara cirúrgica (I, II, IIR)
  • Evita a transmissão de agentes infecciosos, sendo que as que possuem a indicação IIR também protegem contra gotículas de fluídos contaminados
  • Nível muito baixo de fiabilidade na proteção contra a inalação de partículas
  • Descartável, não tem a qualificação de EPI
Máscara dupla (FFP1, FFP2, FFP3 – como EPI / I, II, IIR, como PS)
  • Igual à máscara cirúrgica, acrescenta o filtro contra partículas
  • Utilizada de forma correta, assegura um nível aceitável de proteção contra a inalação de partículas
  • Descartável, considerada um EPI
Máscara higiénica
  • Não está concebida para proteger de qualquer risco, pelo que não se recomenda a sua exposição a agentes perigosos para a saúde
  • Não está catalogada como produto sanitário ou EPI