Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

De Sedentário a Maratonista

A motivação também se treina!

04.Out.16

Voltei à escola!

Que me lembre, já não fazia um exame (daqueles da escola) há mais de 19 anos. Tirei o curso de Design e Comunicação na Faculdade de Belas Artes, entre os anos de 1992 e 1997 (sou mesmo velho) e hoje voltei a fazer um exame, desta feita de uma disciplina chamada Biomecânica e Anatomia Funcional. Não, não tem nada a ver com o meu curso anterior. Sim, voltei à escola. Um livro que li há uma série de anos, não sei precisar quantos, trazia uma conclusão interessantíssima, sobre a qual todos devíamos parar para refletir de vez em quando nas nossas vidas. Dizia esse livro que "às vezes andamos tão atentos a olhar para o horizonte à procura de algo, que não vemos que aquilo que procuramos está ali mesmo debaixo do nosso nariz". E foi com esta lição que, feito um verdadeiro John Nash, visionei e entendi tantos que foram os sinais ao longo do meu percurso de vida que me orientavam para este meu lado desportivo. Quando tudo me correu mal há 5 anos atrás, podia ter-me dado para cair numa depressão. Mas em vez disso optei por sair de casa e ir correr. Correu bem! E desde então, ao longo de todo este tempo, foram tantas as leituras que fiz à volta do tema das corridas, dos treinos e da alimentação; foi tanto o interesse e - consequentemente - tantos os artigos partilhados convosco; foram tantos os treinos que fiz e as provas em que participei, os planos de treino que recebi, que fiz, que me pediram para fazer; foram tantas as sugestões e as dicas, os emails para trás e para a frente... Foram tantos os sinais que não foi possível continuar a fazer de conta que não me sinto sempre melhor no desporto e na motivação do que em qualquer outra área da minha vida. Feito isto, decidi entrar de cabeça neste mundo e nesta aventura que é aos 42 anos de idade voltar a estudar. Voltei à universidade para ganhar as bases e as competências para fazer de forma profissional aquilo que até ontem fazia de forma amadora e unicamente baseada na minha experiência, no que sofria na pele e nos conselhos que um pouco por toda a parte ia encontrando. Se corria bem, estava a resultar. Se corria menos bem, significava que estaria a fazer alguma coisa mal. Agora vou perceber melhor o porquê das coisas. Das coisas - claro - do desporto, da atividade física e de uma vida mais saudável. Vou ser técnico de exercício físico. Vou poder ser útil a servir o próximo, de uma forma profissional, na sua saúde e no seu bem estar. Porque não andamos neste mundo para ficarmos parados a dar cabo das nossas vidas, mas sim para a vivermos da forma mais saudável possível. De corpo e alma!

1 comentário

Comentar post