Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

De Sedentário a Maratonista

A motivação também se treina!

Ter | 02.07.13

Sete factos (e mitos) sobre a hidratação

José Guimarães
Ainda há pouco chamei a atenção a um amigo que terminava o seu treino de 17 km sem beber uma única gota de água. Bem sei que hoje amanheceu mais fresco e que o calor que se fez sentir ao final da manhã não era nada, quando comparado com o calor dos últimos dias. Mas correr 17 km sem beber água pode... corrijo... é prejudicial para a saúde! Já não é a primeira nem será a última vez que aqui abordo este assunto. Até mesmo a nutricionista Ana Carolina Soares já o fez num post anterior. E nem de propósito, voltei a dar de caras e a ler (e reler) um artigo que saiu na revista Visão sobre a hidratação, onde vêm alguns conselhos que todos devemos seguir. Todos os que correm, mas também todos aqueles que não correm. Também de propósito, tomei a liberdade de fazer do título desse artigo o título deste post. Com uma pequena alteração, que se abrirem o original vão perceber qual é. Isto tão somente porque sou apologista que devemos basear estas coisas das corridas mais em factos do que em mitos. Tudo para nos salvaguardarmos de males maiores e podermos fazer aquilo que gostamos (correr) por muitos e longos anos... e com saúde! E por essa razão também resolvi partilhar o dito artigo. Fica aqui o mesmo, juntamente com o reforço da mensagem: hidratem-se bem e hidratem-se sempre!

Sete mitos (e factos) sobre a hidratação

(clickar no título para ver o artigo original) 1º MITO: A desidratação é incómoda, mas não perigosa. FACTO: A maioria das pessoas só sente sintomas leves de desidratação, como dor de cabeça, falta de energia ou diminuição da urina e produção de suor. No entanto, caso estes sintomas se agravem, as complicações podem tornar-se mais sérias e levar a um inchaço do cérebro, convulsões, insuficiência renal e até mesmo, em alguns casos, levar à morte. Os mais vulneráveis são as crianças e os idosos que, quando desidratados, apresentam febre, dificuldade em ingerir líquidos, diarreia e vómitos e irritabilidade. 2º MITO: Quando se tem sede é porque já se está desidratado. FACTO: A sensação de secura, a chamada "sede", é a forma que o corpo encontra de lhe dizer para ingerir água. No entanto, isso não significa que esteja gravemente em risco. 3º MITO: Todos devem beber o equivalente a oito copos de água por dia. FACTO: O Instituto de Medicina norte-americano recomenda que os homens bebam três litros de líquidos por dia e que as mulheres bebam cerca de dois litros. E por líquidos não se deve entender só água, embora bebidas com açúcar não sejam recomendáveis. Além das bebidas, os alimentos também fornecem cerca de 20% de água ao organismo, sendo a melancia e o pepino, por exemplo, alimentos com alto teor de água. 4º MITO: Urina clara é um sinal de hidratação. FACTO: Se a urina apresentar uma cor amarela pálida, está hidratado. 5º MITO: Não faz mal beber demasiada água. FACTO: Ingerir demasiada água pode fazer com que os níveis de sódio no organismo se tornem muito diluídos, originando um inchaço das células - hiponatremia. Os sintomas incluem geralmente náuseas, vómitos, dor de cabeça, confusão, fadiga, e nalguns casos, convulsões e coma. Deve beber água, mas de forma a evitar que se sinta inchado. 6º MITO: Quem pratica desporto deve beber bebidas energéticas FACTO: Os atletas podem tirar benefício da combinação certa de açúcar e de sódio - ingredientes presentes nas bebidas energéticas. No entanto, as bebidas energéticas têm uma longa lista de ingredientes com aditivos artificiais, logo pode não ser esta a melhor escolha para quem pratica desporto. 7º MITO: O café desidrata FACTO: O café só desidrata se for ingerido em excesso. Se consumir mais de 500 miligramas de cafeína por dia - aproximadamente cinco chávenas de café -, corre um risco de desidratação. FonteDados recolhidos pelo Huffington Post junto de especialistas da Mayo Clinic, Universdade da Pensilvânia, Universidade da Cidade do Cabo, Instituto de Medicina norte-ameriano e Universidade de Connecticut Ver artigo completo