Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

De Sedentário a Maratonista

A motivação também se treina!

Ter | 03.12.13

Aqueles 10 minutos de elíptica...

José Guimarães
O treino foi de somente meia hora. Meia hora na elíptica, para substituir o treino de corrida que ainda não posso fazer. À partida um treino simples. Mas aqueles primeiros 10 minutos foram custosos... muito custosos! Já explico. Depois de mais de 2 meses sem correr de forma consistente e de planos de treino em que constantemente tenho vindo a eliminar a corrida e a substituí-la por outra atividade que faça o mesmo efeito (ou perto disso) às pernas, estar 1 semana totalmente parado por causa de uma constipação ranhosa não é necessariamente algo bem vindo. É uma semana em que temos tempo de sobra para tudo nos vir à memória. Aquela memória das recordações (aquelas que nos trazem saudades de se fazer uma corrida de 20 ou 30 km sem outras dores que não as das pernas) e a memória física, que fica residente do corpo... uma memória que não quero ter, letárgica, a que diz "que-bem-que-sabe-ficar-no-quentinho-da-cama-quando-estão-5-graus-na-rua"! O corpo lembra-se do bom que isto é e aninha-se. E a moleza instala-se. Não pode ser bom. Depois da tempestade vem a bonança e depois da doença vem o sentimento de "vingança"! E como ontem já me sentia melhor, fui treinar. Optei por voltar devagar e fazer 30 minutos de elíptica. Com os ajustes certos na máquina, mantendo a cadência adequada à resistência, que se quer ali pela casa dos 200 Watts, dá para simular a corrida em plano ou algumas subidas, dá para "correr" sem pressão ou para sentir a resistência nas pernas e recordar-me das subidas intermináveis na ilha da Madeira. Faz-se bem e não tem impacto. É um treino que recomendo, até mesmo para quem não está a recuperar de nada ou impedido de correr por alguma razão. Deviam experimentar, certamente alguns de vocês iriam ficar surpreendidos. Mas o que me levou a escrever este post foram aqueles primeiros 10 minutos de treino. Recordo com muita frequência o início dos meus treinos de corrida, principalmente quando me perguntam como foi começar a correr a partir do zero. Estava no início de 2011 e eram dias em que a corrida se resumia à distância entre a praia de Carcavelos e a Marina de Oeiras, em que a transpiração picava em todos os poros da pele. E ontem voltei a ter a mesma sensação! Escolhi os primeiros 5 minutos para aumentar gradualmente a resistência e aquecer o corpo para, logo de seguida, colocar a resistência naquele nível mais exigente e aumentar também a inclinação da passada... e aí começou a "tortura". Há um momento deste treino em que a transpiração começa a jorrar sem parar. E eu que transpiro que nem um porco (os porcos transpiram?!)! E nesses primeiros minutos tudo picava, tudo dava comichão! A tshirt estava a mais e puxam-se as mangas para cima. Mas depois aperta e dá ainda mais comichão! E o couro cabeludo... aiii, que vontade de ter dois pares de mãos a coçarem-me a cabeça naquele momento! Raios!!! Fiquei assim por estar 1 semana parado? Eu sempre transpirei (e como!!!) na elíptica e na bicicleta, já para não falar dos treinos de força e nunca, mas nunca me senti assim! Excepto naqueles primeiros tempos de corrida. Pois parece que estar parado tem as suas consequências. Parece que todos os poros da minha pele estavam entupidos e que o corpo gritava para respirar! Felizmente que não durou muito tempo. Foram só 10 minutos e depois passou. O que me leva a crer que, daqui para a frente, tenho que evitar que isto entupa tudo novamente. Assim sendo, hoje vou continuar o regresso "às aulas"... para já ainda numa de natação e de elíptica/bicicleta, isto enquanto não posso correr. Os tratamentos à fasceíte plantar ainda vão durar mais umas 2 semanas e depois se verá como vai ser o regresso à corrida. Para já, muita paciência, fisioterapia e... vá, pensamento positivo e boa disposição!