Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

De Sedentário a Maratonista

A motivação também se treina!

Ter | 27.05.14

A minha bebida de hidratação para as próximas corridas

José Guimarães
Quando recebi a encomenda da Prozis estava com a ideia de experimentar algumas coisas novas nos próximos treinos, com vista ao UTMB, dia 29 de Agosto. Estava também com a ideia de fazer uma review a uma das minhas proteínas whey preferidas e que, segundo os entendidos na matéria, parece ser uma das melhores relações preço/qualidade do mercado: a Whey da Optimum Nutrition. Isto porque já seria a segunda vez que a iria usar e os resultados parecem-me começar a aparecer. Além da proteína, encomendei outras coisas: Creatina + Beta Alanina (que dizem melhorar a performance física e retardar a sensação de fadiga muscular), duas Energy Cake (barras de aveia com cerca de 83 gr de carbohidratos, bom alimento para os treinos e provas mais longas) e uma nossa bem conhecida bebida isotónica, a Gold Drink, da Gold Nutrition (sabor frutos tropicais, para mim o melhor). Mandei vir esta última pois já não tinha bebida isotónica há muito tempo e como o volume de treinos está a aumentar, torna-se necessário hidratar corretamente. E foi mesmo por esta razão que optei à última hora por não fazer a tal review à proteína, mas sim à bebida isotónica da Gold Nutrition: a Gold Drink.

O porquê de uma bebida isotónica

Nestes primeiros meses do ano, por causa da lesão no pé que me deixou praticamente 6 meses sem correr, comecei a correr poucos kms de cada vez e, por isso, senti pouca necessidade de encher-me com suplementação. Aliás, a própria bebida isotónica - que considero essencial - revelou-se pouco necessária, pois a água que ingeria servia as necessidades de hidratação dos 5 kms, 8 kms ou 10 kms que ia fazendo nos treinos. Ultimamente o pé tem-me deixado correr sem limitações e, mais ainda, como está a começar o calor (embora por vezes pareça que não), torna-se ainda mais necessário hidratar corretamente antes, durante e após uma corrida, seja em prova, seja em treino. Em esforços de aproximadamente 1 hora ou mais, a transpiração torna-se mais crítica e com ela perdemos não só água, mas coisas que fazem falta ao nosso organismo, como sódio e sais minerais (corrijam-me à vontade os nutricionistas que possam estar a ler isto). O que uma bebida isotónica faz é - além de outras coisas - repor esses nutrientes, proporcionando uma hidratação mais correta do que se bebêssemos somente água. Se optássemos pela última, iríamos estar a encher a barriga de água e a maior parte dela ia ser constantemente eliminada pela urina, não dando sequer hipótese ao corpo de repor aquilo que perde com o suor, já que a simples água não leva esses "ingredientes". Com o passar do tempo de esforço e por muita água que fossemos bebendo, iríamos acabar por começar a acusar o cansaço.

O que achei da Gold Drink

É aqui que entra a bebida Gold Drink. Confesso que, apesar de ter sido a minha primeira marca de suplementos, nunca fui muito adepto da Gold Nutrition, mas também sei que têm feito um bom trabalho de evolução e isso é notório em produtos como esta bebida. Se em tempos idos me lembro da Gold Drink como uma bebida doce e difícil de ingerir, esta mais recente versão (principalmente com sabor frutos tropicais) é leve, com um sabor residual muito ténue e, mesmo não estando fresca, não é de difícil ingestão (pareço um enólogo a falar de vinhos, não é?). Mesmo no meu período de "só bebo água", ocasionalmente usava umas pastilhas de eletrólitos para juntar a um bidon de 500 ml de água e ter assim algo mais completo para me hidratar num treino mais longo. Mas mesmo assim faltava-me alguma coisa, pois a energia desaparecia a olhos vistos. Essa falha chama-se carbohidratos, "ingrediente" que não foi esquecido na Gold Drink, que vem com 71  gr de hidratos de carbono por 1 litro de bebida. Outros valores interessantes são:
  • 486 mg de sódio/lt
  • 217 mg de magnésio/lt
  • 287 mg de potássio/lt
  É certo que há quem não goste deste tipo de preparados instantâneos e industriais. Há até quem faça umas bebidas caseiras com limão, sal e outros ingredientes. E que até podem resultar, não digo que não. Mas a título de exemplo (o meu caso prático), depois do meu caso de desidratação na secção de corrida do Triatlo de Lisboa, duas semanas depois fiz a Meia Maratona do Douro Vinhateiro em 1h30 só com uma garrafinha de Gold Drink, sem comer nenhuma barra/gel energético nem beber qualquer água nos abastecimentos da prova e, mesmo assim, sem notar qualquer sensação de quebra física até ao final. Tem a ver com treino e preparação? Sim, também. Mas a hidratação que fiz nos dias antes e a que fiz constantemente durante a prova, parece que também resultou.

Concluindo

Para os dias que agora se avizinham, com provas todos os fins de semana e com tempo cada vez mais quente, recomendo que, mesmo que não gostem, que pequem por excesso e vão prevenidos com uma boa bebida isotónica. Ou é preciso lembrar o caso fatídico do nosso primeiro atleta olímpico Francisco Lázaro? Eu não vou descurar. E o próximo desafio em grande é já no próximo dia 7 de Junho da Serra da Estrela... chama-se Oh Meu Deus! E de vocês, dos que tomam bebidas isotónicas, quais são as vossas escolhas? Se tiverem alguma dúvida sobre que bebida isotónica tomar, deixem um comentário a este post.