Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

De Sedentário a Maratonista

A motivação também se treina!

Seg | 09.09.13

3 notas mentais para recuperar eficazmente de uma lesão

José Guimarães
Ninguém gosta de pensar no assunto, mas as lesões (e outras mazelas) fazem parte do risco de se praticar desporto. Se há 2 semanas a minha irmã se viu a braços com uma valente queda de bicicleta, na semana passada foi a minha vez de ir provar o alcatrão e de passar a última semana parado. Se já se magoaram à séria alguma vez, conhecerão com certeza as diferentes etapas que se têm de ultrapassar no processo de recuperação, desde o momento em que nos magoamos, até estarmos capazes de voltar à ação. Trabalhar todo este processo pode parecer muitas vezes uma autêntica montanha-russa emocional, em que cada fase do processo é acompanhada por medos, frustrações e desafios muito próprios.

Uma lesão... e agora?

Grandes níveis de stress têm um impacto tanto físico como psicológico e pode mesmo interferir com o processo de cura. Ter antes de mais uma atitude positiva é imperativo para uma recuperação bem sucedida. Preparem-se antecipadamente para alguns retrocessos no processo de recuperação e, desta forma, saberem de antemão como querem reagir em determinada situação, mantendo-se positivos e confiantes. Experimentem o seguinte:

Relaxar e manter uma atitude positiva

A nossa resposta emocional à lesão tem influência direta na taxa de recuperação. Podemos escolher focar no que estamos a perder ou, pelo contrário, escolher olhar o futuro, para aquilo que queremos atingir. Procurem o equilíbrio neste período stressante, fazendo outras coisas que também gosta de fazer. Adicionalmente, muitos atletas aproveitam este tempo para trabalhar outras partes da sua forma física e regressar mais fortes do que estavam antes da lesão. Focarmo-nos no que podemos fazer, contra o que não podemos fazer, ajuda a recuperar algum controle sobre a situação e conviver melhor com a lesão.

De volta aos treinos

O início do regresso à vida desportiva é por norma o mais difícil, tanto fisicamente como mentalmente. É este o momento da verdade, em que vão pegar no vosso corpo re-estabelecido e levá-lo para uma corrida de teste. Questões diferentes poderão vir ao de cima neste início do regresso ao desporto. Podem-se não sentir totalmente confiantes na área do corpo afetada. Podem-se estar a sentir muito bem e querer elevar a fasquia só um bocadinho mais. Normalmente os atletas querem voltar aos treinos antes de estarem totalmente recuperados, só mesmo porque já se sentem bem e sentem-se a ficar atrasados face ao plano de treinos ou a alguma prova. Experimentem neste caso o seguinte:

Ajustar os objetivos

A primeira parte no ajuste dos objetivos é aceitar a fase em que estão. Se estiveram magoados por algum motivo, aquilo que eram capazes de fazer antes de se magoarem não vai ser provavelmente a opção mais realista no momento. É fácil sentir a auto-confiança entrar em espiral decrescente quando estamos focados numa fase diferente daquela em que na realidade estamos. Uma coisa importante para fazer então é comemorar cada etapa como única, desde o aumento dos pesos no treino, ou a primeira vez em que conseguiram correr novamente 30 minutos seguidos, ou ainda o primeiro treino completo. O reconhecimento do progresso ajuda a construir a auto-confiança. Ajustar os objetivos ajudará a focar nas coisas possíveis de se controlar. Todas as semanas deverão traçar novos objetivos, registar os progressos, avaliar e só então traçar mais objetivos para a semana seguinte.

De volta à competição

O medo de uma nova lesão é um problema muito comum quando se regressa à competição. Quanto ativamos a resposta ao stress conseguimos chegar ao ponto de experimentar alterações até ao nível fisiológico que, o mais provável, é fazer com que nos magoemos novamente. Os músculos vão estar mais tensos o que vai diminuir a flexibilidade, coordenação e fazer com que nos cansemos mais depressa. Alterações adicionais incluem ainda perda de visão periférica, tempos de resposta mais lentos e aumento do fator distração. Experimentem fazer o seguinte:

Aumentar a confiança de forma proativa

Durante a fase de lesão, os níveis de confiança são capazes de atrofiar ainda mais que os músculos e, por vezes, o nosso corpo está capaz de voltar à ação mais cedo até que o nosso cérebro. Enquanto estiverem a trabalhar os músculos para regressar aos treinos, experimentem também trabalhar a auto-confiança, criando - por exemplo - uma lista de afirmações positivas. Antes de irem treinar ou sempre que se sentirem a decair, olhem para a lista e leiam as frases ou, mais ainda, acrescentem algumas. Eis uns bons exemplos:
  • O meu corpo está a melhorar todos os dias.
  • Estou relaxado e confiante.
  • O meu corpo está a preparar-se para isto.
  • Aos poucos estou a regressar ao meu desporto.
  Estar magoado pode ser psicologicamente devastador. Por vezes é mesmo necessário um esforço deliberado e consciente para reconstruir a auto-confiança e lidar com o rol de emoções que se desenrolam no processo de lesão, bem como nos medos de nos voltarmos a lesionar. Lembrem-se de se manterem positivos, focados no que está ao vosso alcance e, desta forma, ficam preparados para regressar ainda mais fortes do que estavam antes.   Fontes: Applied Sports Psychology Sports Psychology Injured Athletes