Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

De Sedentário a Maratonista

A motivação também se treina!

Qui | 23.01.14

3 dicas para correr mais rápido

José Guimarães
"Para correr não basta um bom par de pernas" - é o que costumo dizer a quase toda a gente que me pergunta por dicas para correr melhor, mais facilmente, mais rápido, ou mesmo para começar a dar os primeiros passos neste mundo apaixonante das corridas. O que quero dizer com isto é que, na grande maioria das vezes, correr bem não se limita a darmos tudo por tudo na distância que nos separa da partida à linha de chegada. Correr bem - e no caso concreto deste post, correr mais rápido - está ligado não só ao treino físico que fazemos, como também à capacidade que temos de gerir uma corrida durante toda a sua duração: gerir o ritmo a que corremos, a postura corporal, o controle da passada, etc. Se querem começar a controlar melhor o vosso estilo de corrida, fiquem com 3 dicas simples que podem começar a testar já no próximo treino ou na próxima prova:

O como e onde metemos os pés durante a passada

Como o pé aterra no chão não é tão importante como onde ele aterra. Mais importante do que dar passos largos que tendem a fazer com que o pé aterre à nossa frente, o que pode agravar algum problema que possamos já ter e até mesmo travar o nosso movimento natural, foquem-se em passos mais curtos e rápidos, os quais vão fazer com que os pés aterrem diretamente por baixo do vosso corpo. Não só é um movimento mais eficiente, como vai utilizar a força de alguns dos grupos musculares mais importantes para correr: os glúteos, os quadricípedes e flexores da anca.

O truque está nos... braços?

Quando as vossas pernas se começarem a cansar, os braços podem ajudar a mantê-las em movimento. Aumentem a velocidade de balanço dos braços e vão ver como isso ajuda a movimentar as pernas. Mantenham esse movimento de braços durante toda a corrida, seja numa corrida de 10 km ou mesmo numa maratona. Mantenham os braços paralelos ao corpo e dobrados num ângulo de pouco menos de 90º, com os cotovelos bem puxados para trás. Não se preocupem se os braços se atravessarem um pouco à frente do vosso corpo, preocupem-se sim em tentar mantê-los paralelos ao corpo e não rodar os ombros.

Conhecer o ritmo (pace) certo

A maior parte dos corredores são super competitivos no dia da corrida. Mas é necessário trabalhar na capacidade de se conseguir refrear esse impulso e aprender a apostar num ritmo certo, por forma a conseguirem ultrapassar os outros corredores no final da prova e não ficarem esgotados por terem começado num ritmo muito forte, muito cedo. Já diz o ditado "começa como um velho para acabares como novo". Eu sou apologista de corridas progressivas, ou seja, aposto num ritmo forte mais no final da corrida do que ao início, baseando-me sempre em 3 potenciais plataformas (útil até para os treinos mais longos): 1. "Splits" negativos: ou simplesmente, a última metade da corrida é sempre mais rápida que a primeira 2. Construir a corrida: dividam por exemplo uma corrida de 20 km em blocos progressivos de 5 km - fácil, moderado, rápido, muito rápido. 3. Blocos numa corrida longa: experimentem 3x3 kms, 4x10 minutos, ou até mesmo intervalos mais longos. O objetivo é fazer cada bloco mais rápido que o anterior, mas sempre com ritmos realistas, nada de exageros.   Fonte: Triathlon Competitor