Regressar aos trilhos na Serra da Lousã

axtrail2017_desedentarioamaratonista

Este ano voltei ao trail running. Foi um ano em que aconteceram algumas mudanças na minha vida, que fizeram com que, por um lado, me dedicasse mais ao desporto mas, por outro, estivesse um pouco afastado das provas. Mas estou a regressar. E estou a regressar não só de forma pessoal, como também profissional, a este mundo tão apaixonante que é o trail running.

Uma das mudanças que aconteceram, entre outras (como ter passado a ser um homem casado), foi ter tirado o curso de Técnico de Exercício Físico, que assim me permite passar aos outros, de forma profissional, o meu conhecimento nestas andanças da corrida, do exercício físico e, em geral, de um modo de estar na vida ativo, afastado do sedentarismo.

Outra das coisas boas que voltaram a acontecer foi o novo convite da FOX para filmar a 3ª série do ABC do Running (fiquem atentos ao canal, pois em breve estará no ar), como sempre patrocinada pela SEAT, que desta vez apostou no Trail Running. E, como a data das filmagens era coincidente, a prova escolhida para ilustrar a modalidade foi o AX Trail, mais concretamente o TSL (Trail da Serra da Lousã), ou seja, 50 km pela serra da Lousã adentro. E que bem que soube!

Soube bem, mas já estava muito desabituado a estas andanças. O tipo de terreno tem que ser preparado, e os treinos na estrada não são propriamente o mais adequado para esta modalidade. Falo de treinos na estrada, pois tem sido aquilo a que me tenho dedicado mais, já que, depois de ter feito o meu primeiro Ironman, o meu próximo objetivo é acompanhar um bonito grupo à Maratona de Sevilha, uns para fazer a distância rainha pela primeira vez, outros pela segunda, outros para irem em busca de recordes pessoais, mas todos muito focados.

Mas os treinos na estrada não nos dão asas para voar na serra. Dão-nos algumas pernas, é certo. Mas falta, por exemplo, treinar o volume (quase 10 horas a correr também tem que se treinar), o tipo de terreno e, acima de tudo, falta treinar o desnível, seja a subir ou a descer.

A prova na Lousã foi, talvez por isso, um pouco custosa. Mas como o meu registo era mais trabalho do que propriamente competição (comigo próprio, lá está), deu para gerir bem o esforço e chegar ao final sem um grande “empeno”.

Resumindo o Trail da Serra da Lousã

O ritmo foi, desde o início, calmo. Os 2 ou 3 engarrafamentos com o pessoal mais lento que partiu à minha frente contribuíram um pouco para refrear os ânimos (nesta prova, talvez ainda falte uma valente “parede” logo no início, para dispersar mais os atletas e fazer logo ali a chamada “seleção natural”). Deu para ir acelerando com o passar dos quilómetros, puxando aqui e ali (divertindo-me MUITO nos fantásticos “single tracks”, por exemplo) e gerindo bem as subidas menos técnicas, com uma boa postura corporal e uma boa cadência de respiração e assim, conseguir uma boa progressão sem muito esforço.

Apesar do frio, estava o clima ideal para correr. Para correr mas sem parar, já que, por exemplo, os poucos minutos parado no primeiro abastecimento em Cerdeira com cerca de 10ºC (não estavam mais, pois não?) conseguiram enregelar-me até aos ossos!!! Mas já só faltava metade da primeira subida do percurso, que nos iria levar até ao Trevim, bem no topo da serra da Lousã, a cerca de 1200m de altitude. Com frio, vento e nevoeiro… o truque é mesmo não parar!

A partir daí, continuando rumo ao Coentral (20km) e depois até ao abastecimento no Talasnal (30km), ainda com uma valente subida pelo meio até ao parque eólico, estava então despachada mais de metade da prova e, certamente, ultrapassada também a parte mais difícil e tecnicamente mais exigente. E isto poderia dar-me algum alento, não fossem as pernas estar já muito cansadas e desgastadas, muito por culpa do divertimento que são os trilhos e as descidas técnicas da Lousã (mas como são divertidos!!!).

Aqui uma nota muito positiva para a sola Soft Ground dos meus Salomon Wings 8 SG (SG quer dizer mesmo isso), que estavam no seu parque de diversões por excelência. O terreno mole e húmido criado na serra pelos últimos dias de chuva tinham tornado todo o percurso numa autêntica diversão, para quem gosta de trilhos rápidos, técnicos, mas seguros.

Nota também muito positiva para a organização que, em toda a prova tem certamente umas das melhores e mais visíveis marcações que conheço e que, este ano, primou por uns abastecimentos à altura do desafio que organizou. Até a minha manteiga de amendoim da Prozis havia nos abastecimentos, tal como uma bela canja (que cai sempre tão bem), disponível no último posto de abastecimento, em Gondramaz.

Daqui até à meta foi gerir o esforço, mantendo o cérebro ligado para “azares” inesperados, não evitando que nos perdêssemos no final do último trilho, nem mesmo um mega tropeção que dei num passeio, mesmo à entrada da Vila da Lousã, entre as muitas pessoas que apoiavam e aplaudiam os atletas (e que se riam de outros, como eu).

Concluindo e rematando

Ignorando depois os dois dias seguintes em trabalho com o ABC do Running, novamente a subir e a descer trilhos na serra e nas aldeias de xisto (que me deixaram as pernas feitas num autêntico “fanico”), não só gostei deste regresso aos trilhos, como cada vez mais me convenço que a natureza é o meu habitat, que o trail running é um dos meus desportos favoritos, e que a natureza será, sem qualquer dúvida, algo que farei por usufruir e preservar o melhor que posso até ao fim dos meus dias, passando sempre que possível essa mensagem a todos os que a queiram receber.

A este propósito, deixo uma nota muito negativa para as dezenas de saquetas de gel que ainda continuo a apanhar ao longo do caminho, deixadas sem qualquer respeito pela natureza, por atletas que, certamente, não percebem que o trail running não é um desporto só deles, mas é, isso sim, um desporto para todos, principalmente para quem gosta de o praticar em todas as suas vertentes (inclusive o respeito pelo meio em que o mesmo se pratica).

Se querem que tudo corra bem, recordem e pratiquem a máxima: “Não tirem nada a não ser fotografias. Não matem nada a não ser o tempo. Não deixem nada a não ser pegadas.”

 

Até breve Lousã!!! ;)

Share

Depois de longos anos sem praticar desporto, redescobri esta minha paixão pelo exercício físico em 2011 através da corrida. Na altura, quando treinava para conquistar a minha primeira maratona, criei o blog De Sedentário a Maratonista, para partilhar os meus progressos e dificuldades. Depois dessa meta atingida, descobri no trail running e nas ultra-maratonas uma paixão que nunca mais deixei e que ainda hoje me faz sonhar com novas e mais ousadas aventuras. Duas vezes "finisher" do UTMB - Ultra Trail du Mont Branc e com um Ironman na mira, esta é a minha forma de fazer chegar a mais pessoas o prazer que tenho por uma vida ativa e mais saudável, e de as motivar a, também elas, perseguirem os seus sonhos. Porque a motivação também se treina!

Seguir

Receba cada um dos artigos deste site no seu email, sempre que forem publicados.

Junte-se aos outros seguidores: