Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

De Sedentário a Maratonista

A motivação também se treina!

Qui | 28.01.16

adidas apresenta o futuro da corrida no feminino: PureBOOST X

José Guimarães
A adidas fez uma parceria com atletas femininas de todo o mundo para desenvolver os PureBOOST X, os sapatos de corrida desenhados para mulheres e por mulheres. Com base em anos de testes e pesquisas com mulheres de todo o mundo, a adidas criou uns sapatos com um visual elegante e confortável, construídos para atender à energia implacável de um estilo de vida activo. Enquanto a maioria dos sapatos de corrida são adaptações de sapatos masculinos, os PureBOOST X foram concebidos apenas com atletas femininas em mente, resultando nuns sapatos de corrida femininos, de alto desempenho e com estilo. A silhueta delicada e adaptável de PureBOOST X envolve o pé com estilo e descansa sobre uma cama com milhares de cápsulas de espuma BOOST™ plenas de energia. A entressola BOOST proporciona energia a cada passo para transformar a corrida na melhor parte do treino. “O feedback mais comum que recebemos em anos de trabalho com atletas do sexo feminino foi o desejo de um sapatos de corrida com um visual à altura da sua energia e desempenho”, refere Jennifer Thomas, directora de Running Global da adidas. “PureBOOST X é um produto que tem inovação e estilo em perfeita harmonia para atender às necessidades da mulhere actual”. O PureBOOST X vem com um novo arco flutuante para responder a um look moderno e conforto sem precedentes. O stretch mesh adaptável do arco envolve a parte central inferior e faz o pé parecer menor, ao mesmo tempo que garante uma sensação de suporte em todas as corridas. Toda a parte superior é feita em stretch mesh com um arco flutuante e um Sistema de atacadores lock down que proporcionam um ajuste personalizado e envolvente de ponta a ponta. O solado Stretch Web foi desenvolvido para permitir flexibilidade em qualquer ponto e manter o movimento natural do pé. A coleção PureBOOST X ganha ainda mais credibilidade em design com duas versões adidas by Stella McCartney que trazem um update fashion de uma designer de prestígio internacional. O PureBOOST X by Stella McCartney combina elementos de moda com performance e mostra todo o conhecimento da estilista sobre malhas Primeknit, com detalhes nos atacadores para uma maior suporte, não esquecendo o charme do estilo que uma mulher gosta de exibir nos seus outfits. “Desenvolvi o adidas by Stella McCartney PureBOOST X de forma muito próxima com um conjunto de atletas para capturar a energia individual de cada uma delas e entregar um produto que as ajudasse a ganhar confiança e a superarem-se sempre”, afirma Stella McCartney. “O PureBOOST X permite que elas mantenham o desempenho com determinação, sem sacrificar o lado estético”. Desde o simples acto de atar os atacadores, fazer alongamentos após o treino, ou desfilando por aí, o PureBOOST X garante uma sensação revigorante e um look incrível assim que é calçado pela primeira vez. O adidas PureBOOST X está disponível em adidas.com e em loja a partir de dia 3 de Fevereiro. PureBOOST X - PVP 120€ adidas by Stella McCartney - PVP 165€
Qua | 27.01.16

Trilhos dos Abutres - "An Epic Trail"

José Guimarães
A edição 2016 dos “Trilhos dos Abutres”, prova de referência no Trail Running nacional, decorrerá em Miranda do Corvo nos dias 29, 30 e 31 de Janeiro. O evento conta com 3 provas distintas que diferem nas distâncias: Ultra Trilhos – 50km, Trilhos - 25km e Caminhada - 12km. Haverá também uma prova para os mais pequenos (Trilhos Júnior), Expotrail (exposição de material de corrida) e Fototrail (concurso de fotografia). Para esta edição, em parceria com a autarquia, a Associação Abútrica volta a surpreender os atletas e todos os intervenientes no evento bem como toda a comunidade do trail , os “Trilhos Dos Abutres” serão cobertos por numa transmissão online durante 9 horas, tornando-se a 1ª Prova Trail Portuguesa a conseguir tal façanha. Mas as surpresas para a VI Trilhos Dos Abutres não se ficam por aqui, paralelamente, e também de forma inédita, a organização coloca à disposição dos intervenientes no evento o “Kit do Acompanhante” , que permitirá a amigos, familiares e público em geral deslocarem-se em autocarros a vários pontos de passagem da prova para apoiarem os atletas no decurso das provas. Com esta aposta, a organização pretende criar condições para criar um ambiente de maior calor humano para os atletas e contribuir para que o público se torne arte integrante desta grande festa. Foi em 2011 a 1ª edição daquela que se tornou a mais mediática e uma das provas de referência do Trail Running em Portugal: os Trilhos dos Abutres. Desde então a prova tem crescido em número de participantes (nacionais e estrangeiros) e na qualidade da organização, a cargo da Associação Abútrica que, para a edição de 2016, promete superação: “Queremos reunir as melhoras condições para quem participa e para quem está a assistir. Seja nos locais das provas, seja em casa. Para isso criarmos o "kit acompanhante" onde disponibilizamos 3 autocarros que circularão nos percursos. Temos cerca de 300 pessoas inscritas no kit. Teremos uma emissão de 9 horas online no dia 30 de Janeiro (https://www.youtube.com/watch?v=M7rIUdFX73o) a partir das 7h00 da manhã, com uma logística impar na modalidade que reúne 10 profissionais. “refere a organização”. Integram o Circuito Nacional de Ultra Trail Running da ATRP desde a sua criação, os Trilhos dos Abutres são pontuáveis para o Ultra Trail do Mont-Blanc (prova “rainha” a nível internacional) e contam com a presença das maiores figuras da modalidade em Portugal e não só. Para 2016 estão inscritos cerca de uma centena de estrangeiros vindos de 14 nacionalidades (Angola, Alemanha, Belgica, Brasil, Espanha, Japão, Nepal, Tailândia, Holanda, São Cristovão e Nevis, Estados Unidos, Filândia, Paises Baixos). “A ocupação hoteleira está esgotada nos 4 concelhos vizinhos”, salienta a organização. Para além da componente desportiva, o evento conta com actividades paralelas como: o Expotrail a, na qual os visitantes poderão encontrar exposição de material desportivo, stands dos parceiros oficiais, mostra de produtos locais, promoção do turismo local, entre outros pontos de interesse; a Tertúlia relacionada com a modalidade e um Concurso de Fotografia. A Caminhada realiza-se no dia seguinte, com o objectivo de atrair mais participantes. O elevado grau de atractividade da prova faz com que as vagas esgotem em poucas horas e este ano a prova dos 25km esgotou em 5 minutos com 500 atletas. Os Dorsais Solidários continuam a ser um ponto de honra do evento, onde na edição anterior foram angariados cerca de 1260€. A Associação Abútrica nasceu no seio de um grupo de jovens de Miranda do Corvo unidos pela prática de desportos ao ar livre, promovendo e participando em várias actividades nesse âmbito. A marca Abutres está registada desde 2010. Vai ser épico! ABUTRES – Associação Abutrica Para mais informações contactar trilhos@abutres.net
Dom | 24.01.16

Dicas para pessoas que querem correr mas detestam corrida

José Guimarães
Ouço muitas vezes as pessoas a dizer que gostavam de correr, mas que, na verdade, detestam corrida. Na minha opinião, a principal razão pela qual as pessoas não gostam de correr é porque se sentem desconfortáveis quando correm. Ou pelo menos, a maior parte delas sim. De facto, correr não é fácil. Basta prestarem atenção às pessoas que passam por vocês a correr e vão perceber que elas estão a respirar fundo, a transpirar e até a tossir. Mas lá porque o ato de correr é desconfortável, não quer dizer que não o devam fazer. Provavelmente, isso só significa que têm de começar por aprender algumas dicas base para diminuir esse desconforto que sentem quando correm, aumentando assim a vossa satisfação. Vejam como: 1. Lembrem-se que não estão sozinhos. Acho que as estatísticas dizem que 4 em cada 5 pessoas detestam a corrida. E só correm porque simplesmente pensam que correr queima 4.000 caloria por hora (na verdade queima cerca de 600, mas já perceberam onde quero chegar). A chave para ultrapassar isto é não pensar muito no quanto detestam correr e nas razões para não o fazer. Corram, simplesmente. E sintam-se felizes com isso. 2. Comecem por baixo. Escolham um objetivo simples de atingir, principalmente se estão a começar. Não se levantem do sofá e comecem a correr só para dizer a toda a gente que correm 5 vezes por semana. Se escolherem sempre objetivos simples de atingir, o mais provável é que se mantenham fiéis aos mesmos. 3. Preparem-se porque vai custar. Quando as pessoas correm e sentem as dificuldades, começam a pensar que estão a agir ao contrário do que deviam. Pensam que mais ninguém se sente assim. Correr é mesmo difícil. Custa a todos. Em vez de se julgarem a vós próprios porque estão sem forças ou sem fôlego, sintam como se isso vos motivasse para fazer ainda mais e melhor. Precisam é de aprender a correr ao ritmo certo e evitar excessos no treino e consequentes lesões. 4. Saibam escolher. Não corram sempre no mesmo sítio, naquela rua cheia de trânsito ou com cheiro a lixo. Escolham um local para correr que tenha um cenário bonito e que seja capaz de vos inspirar. 5. Arranjem distrações. Para algumas pessoas, a melhor forma de tirar algum prazer da corrida é esquecerem-se do facto que estão a correr. Uma distração é uma ferramenta perfeita para escapar daquela realidade momentânea, se isto é o que estão a precisar no momento. Encontrem um amigo ou um cão para correr. Levem uma boa música ou ouçam aquele podcast ou audiobook que há tanto tempo está à espera. 6. Mantenham-se fiéis ao plano. Se nunca correram antes ou se já não correm há muito tempo (anos), provavelmente vão detestar as primeiras saídas. Mas não desesperem. Recusem-se a desistir de tudo por causa de uma simples corrida. Mantenham-se fiéis ao plano e registem sempre o vosso progresso. 7. Divirtam-se enquanto correm. Muitas pessoas levam isto das corridas demasiado a sério. Realisticamente falando, a maior parte de nós não vai ganhar nada com isto. Não temos que ser os mais rápidos ou correr as maiores distâncias para sermos um corredor. Só temos que pôr um pé à frente do outro. Esqueçam as "regras" e as expectativas por um momento e deixem-se levar. 8. Não encham o "bandulho". Comer muito antes de uma corrida não vos vai dar mais energia nem ajudar a correr melhor. Comam coisas leves e moderadas, como uma banana ou uma torrada com doce, antes de uma corrida. E bebam água. Não se encham com coisas que depois vos possam trazer algum desconforto. 9. Minimizem as cólicas ou a "dor de burro". A maior parte das pessoas (corredoras) que conheço que gostava de correr mais, mas que isso lhes traz desconforto, como cólicas ou a famosa "dor de burro", ou até caimbras. Isto pode querer dizer que ou estão a correr demasiado rápido para aquilo que o corpo está preparado para aguentar e que provavelmente não estão a respirar da forma correta. Abrandem o ritmo e respirem mais profundamente. Aquecer corretamente antes de correr também pode ajudar. 10. Tenham medo. Experimentem ir correr de madrugada para um sítio perigoso, ou para uma mata cheia de animais selvagens. Isto vai fazer com que se tornem naturalmente corredores muito rápidos e também motivados. Tanto que se vão esquecer automaticamente de quão cansados ou desconfortáveis se sentem :) Não posso prometer que todas estas dicas vos vão tornar apaixonados pela corrida. Mas todas elas (ou quase todas) serão capazes de vos fazer suportar um pouco melhor as dificuldades da corrida. Experimentem e vão ver. Fonte: RunHaven
Sab | 23.01.16

10 equipamentos sem os quais não devem ir para provas de trail running

José Guimarães
Daqui a 1 semana correm-se os Trilhos dos Abutres. E porque me lembro de no ano passado - edição épica, cheia de chuva e lama, muitas vezes até à cintura - ver participantes a correr com ténis de estrada (é verdade!), talvez seja importante relembrar algum do equipamento indispensável para levar para uma prova de trail running. Muito do vosso equipamento normal de corrida irá provavelmente servir para se começarem a aventurar nos trilhos, mas à medida que evoluem e que a dificuldade das provas aumenta, aconselho a investirem um pouco mais em equipamento adequado à prova em que vão participar, por forma a melhorar a vossa experiência e a evitar acidentes. Aqui ficam as minhas sugestões. E, como ainda falta 1 semana, façam a checklist e aproveitem os saldos para comprar o que falta, sim?

Sapatos de trail

O trail running implica por si só correr muitas vezes em superfícies que não são planas, estão cheias de obstáculos e muitas vezes com terra e lama. E apesar dos sapatos de corrida de estrada poderem servir para umas incursões em alguns estradões, basta chover para escorregarem à mínima perda de tração. E é aqui que os sapatos de trail entram. Independentemente do tipo de terreno em que vão correr (gravilha, terra, lama, pedra, etc), os sapatos para trail running têm algumas características comuns: uma sola mais agressiva, zona frontal reforçada, melhor proteção contra os elementos (alguns até são fabricados com Gore-Tex), etc. Em regra são mais reforçados que os sapatos para correr em estrada e, como a maior parte dos sapatos têm menos amortecimento (algo que não vão necessitar muito nos trilhos), é normal que o drop (diferença da altura do calcanhar para os dedos) seja também menor, dando uma sensação mais minimalista, permitindo também menos entorces com o tornozelo, em superfícies instáveis.

Polainas

Se estão a fazer planos de ir correr num local com lama, areia ou outros detritos, talvez seja uma boa ideia investir num par de polainas. Esta peça de equipamento coloca-se no topo do sapato, em volta do tornozelo e impede a entrada de detritos para o interior do sapato.

T-shirt e Casaco

Provavelmente já devem ter reparado que os dias estão mais frios e, mesmo que não saibam, quando se sobe em altitude, as condições climatéricas tendem a alterar-se com facilidade. É por questões como estas que não dominamos que temos que ter uma primeira camada e um bom casaco. A primeira camada não é mais do que uma tshirt (manga curta ou comprida), provavelmente em lycra ou outro material justo ao corpo, que serve para manter o corpo aquecido. Depois disto, usem uma tshirt técnica normal, ou então um casaco. O casaco ideal será leve e, se as condições do tempo assim o exigirem, à prova de água, mas transpirável, para permitir que a transpiração evapore e não condense no interior do casaco. Se forem correr em condições frias mas sem chuva, provavelmente um bom corta vento será suficiente.

Calças ou calções

Se é inverno e são friorentos, um bom par de calças de lycra serão a escolha ideal. Não só vos vão manter as pernas mais quentes, como também vos podem proteger de ramos e silvas mais baixas. Se o frio não vos incomoda e se sentem mais confortáveis com calções, há muitas opções no mercado, inclusive algumas com dupla camada, que oferecem os benefícios de uns calções de lycra e a proteção adicional para o frio e a chuva de uns calções mais largos.

Boné

Seja um boné, um gorro ou um buff, é sempre boa ideia levar algo na cabeça. Aprendi no mergulho que perdemos a maior parte do calor corporal pela cabeça, pelo que, além de nos aquecer a cabeça, a pala de um boné também nos pode proteger os olhos da chuva.

Bastões

Tradicionalmente utilizados pelos caminhantes, os bastões tornaram-se grandes amigos dos trail runners. Podem ser uma preciosa ajuda para atravessar riachos, locais em que o solo é mais instável, dar uma ajuda extra nas subidas ou ajudar a marcar o passo em distâncias mais longas. No entanto, recomendo a que se habituem a usá-los antes de se aventurarem numa prova com eles, senão o mais provável é serem mais um empecilho do que uma ajuda.

Relógio com GPS

É sempre uma boa ideia ter um relógio quando andamos nos trilhos, quanto mais não seja para termos ideia do tempo que estamos no meio do mato. Alguns dos relógios mais avançados como o meu Suunto têm função de GPS que também nos diz o ritmo de corrida, a altitude, estado do tempo e podem mesmo navegar até ao ponto de início - uma função muito útil se nos perdermos e não tivermos telemóvel com Google Maps.

Telemóvel

E por falar em telemóvel, se vão para algum lado pela primeira vez, levem um convosco. De preferência um com muita autonomia, com os principais números registados, pelo menos para poderem pedir ajuda em caso de problemas.

Comida e água

Não precisam de encher a mochila com comida. Para a maior parte das provas de trail bastam algumas barras energéticas e gel energético. Basicamente alguma coisa para irem trincando à medida que o tempo vai passando. Se vão sair por mais de 1 hora, levem por favor pelo menos um bidon ou uma pequena garrafa de água, ou então uma bebida energética com eletrólitos. Se a aventura demorar mais horas, considerem uma mochila de hidratação, daquelas com reservatório com capacidade para pelo menos 1 litro de líquido.

Manta térmica

Uma coisa que muitas vezes não pensamos é nos azares que nos podem acontecer no meio de um trilho, seja em prova ou até mesmo em treino. Mesmo numa prova mais curta, podemos apanhar um temporal repentino, ou então tropeçar, cair, partir uma perna e ter de aguardar horas pelo salvamento. Em qualquer um destes casos, podemo-nos ver numa situação de frio extremo e uma manta térmica pode ser a diferença entre ficarmos num estado de hipotermia ou não. Garanto-vos que já me salvou de uma grave situação na Serra da Lousã e agora faz sempre parte do equipamento obrigatório que levo na mochila para o meio dos trilhos.

Têm outras sugestões? Deixem-nas mais abaixo nos comentários.

Qua | 20.01.16

adidas lança Ultra BOOST com sola com tecnologia da CONTINENTAL

José Guimarães
A adidas desenhou uma versão melhorada do modelo UltraBOOST. O resultado foram uns sapatos de treino neutros com níveis máximos de amortecimento e reactividade e uma meia sola feita 100% em boost. A sola STRECH WEB também sofreu alterações sendo agora construída com borracha CONTINENTAL o que oferece maior aderência ao piso. Além disso, conta também com a parte superior em Primeknit e uma nova construção na zona do calcanhar, oferecendo um ajuste e apoios sem precedentes. A revolução Energy Running chega novamente aos pés dos corredores. A adidas apresenta hoje a versão renovada dos melhores sapatos de corrida do mundo: os UltraBOOST. Os sapatos estrela de 2016 são hoje uma realidade, e chegam ao mercado para captar a atenção de milhares de fãs da corrida tal como fez o seu modelo antecessor no início de 2015. "Para responder ao apelo dos atletas que buscam mais energia, criamos os melhores sapatos de corrida do mundo, e fizemos exactamente isso com os UltraBOOST”, comentou no seu lançamento Eric Liedtke, membro executivo do conselho da adidas. “A adidas elevou a fasquia da indústria com o BOOST e continuará abrindo caminho com o Energy Running para aqueles que se atrevam a segui-lo". Os UltraBOOST estão desde hoje disponíveis em adidas.com, lojas adidas Sport Performance e lojas especialistas seleccionadas.
Sab | 09.01.16

Suunto Kailash: a aventura começa aqui

José Guimarães
O fabricante finlandês Suunto lançou uma nova coleção de relógios exclusivos, para aventura e viagem, sob o selo “Suunto 7R”, uma referência ao gene da aventura que os investigadores identificaram nas pessoas com mentalidade aventureira. O primeiro modelo da Suunto World Collection é o Suunto Kailash, e o seu nome tem origem no cume sagrado tibetano, o Monte Kailash, que jamais foi escalado. O Suunto Kailash tem características distintas que farão as delícias dos viajantes mais experientes, como atualizações automáticas de local e data, via GPS, e um novo diário, o 7R, que permite ver o resumo das tuas aventuras. O fabricante finlandês de relógios Suunto lançou uma nova coleção de relógios exclusivos, para viagens de aventura, desenhados para as pessoas que nascem com o ímpeto de explorar, com uma mentalidade curiosa, empreendedora e arriscada que impulsiona o avanço do mundo. O primeiro modelo da Suunto World Collection é o Suunto Kailash, e o seu nome tem origem no cume sagrado tibetano, o Monte Kailash. Em sinal de respeito e veneração a este pico de 6.000 metros de altura, que jamais foi escalado, mas que a sua poderosa presença continua a impressionar os aventureiros natos. “Ainda que seja proibido escalar o Monte Kailash, talvez esta seja a montanha que emana mais energia e desperta o espírito aventureiro de qualquer alpinista ”, diz-nos o espanhol Kilian Jornet, eleito Aventureiro do ano popular revista National Geographic. O Monte Kailash é um símbolo do chamamento sagrado, a desenvolver todo o nosso potencial humano. Este chamamento é visível em atletas como Kilian, e nas pessoas que ampliam os limites da ciência, da tecnologia e dos negócios, para se converterem em modelos do progresso humano. “O lançamento do Suunto Kailash, marca a expansão da Suunto como uma marca para quem vive a sua vida como uma aventura, e procurara continuamente avançar. Para muitas pessoas, a aventura não é algo que se possa reduzir a um conjunto concreto de habilidades ou disciplinas outdoor. Trata-se sobretudo de mentalidade. O Suunto Kailash foi desenhado e elaborado com inspiração nestas pessoas.” explica Peter Nortmann, Business Director of Lifestyle Watches na Suunto. A World Collection da Suunto apresenta-se sob o selo “Suunto 7R” uma referência ao gene da aventura, que os investigadores identificaram nas pessoas com mentalidade aventureira. O Suunto Elementum e o Suunto Essential também farão parte da gama Suunto 7R.

Um companheiro inteligente para os viajantes mais experientes - GPS integrado, diário 7R e Adventure TimelineTM.

O relógio Suunto Kailash tem características distintas que farão as delícias dos viajantes mais experientes, como atualizações automáticas globais de local e hora, via GPS, e um novo e exclusivo diário 7R, que permite ver o resumo das tuas aventuras, (quantos países ou cidades visitaste, quantos quilómetros percorreste, quantos dias viajaste, etc) apenas premindo apenas o botão de safira 7R. O relógio permite marcar um ponto de interesse e assim, quando estás numa nova cidade, poderás encontrar o caminho de regresso. O relógio mostra a direção e distância até ao ponto marcado (ex: hotel ou carro). O Ecrã Adventure TimelineTM indica a hora atual, juntamente com a informação escolhida para mostrar, que pode ser altitude, a hora do nascer e pôr do sol, ou mesmo a contagem de passos diários.

Explora todo o potencial do Suunto Kailash com a aplicação 7R

Liga-te via Bluetooth ao Suunto Kailash com a App Suunto 7R, (só disponível para iPhone) para maximizar os recursos de conectividade do relógio. Assim estarás ao corrente das tuas chamadas, mensagens e notificações do telefone, no teu relógio, e terás uma cronologia mais visual das tuas viagens no telefone. Poderá também capturar e visualizar as tuas viagens num mapa com as fotos, e partilhá-las facilmente com os teus amigos. O Suunto Kailash estará disponível em todo o mundo em lojas de relojoaria selecionada, com um PVP de 900€. Mais informação em http://www.suunto.com/Watch-Collection/Suunto-Kailash-Collection/ Sobre a Suunto A Suunto nasceu em 1936, quando o engenheiro e especialista em orientação finlandês Tuomas Vohlonen, inventou um método de produção massiva de bússolas de líquido. Desde então, a Suunto tem estado na linha da frente do design e da inovação em relógios desportivos, computadores de mergulho e instrumentos utilizados por aventureiros de todo o mundo. Das montanhas mais altas aos oceanos mais profundos, a Suunto equipa física e mentalmente os aventureiros para que conquistem novos territórios. A sede e a fábrica da Suunto situam-se em Vantaa, na Finlândia. Colaboram com a Suunto mais de 500 pessoas por todo o mundo, os produtos Suunto são vendidos em mais de 100 países. A empresa é filial da Amer Sports Corporation, juntamente com as suas marcas irmãs Salomon, Arc'teryx, Atomic, Wilson, Precor, Mavic e Nikita.
Sex | 08.01.16

7 formas de desperdiçar tempo no ginásio

José Guimarães
Janeiro é o primeiro mês do ano, a altura certa para fazer reset e começar a trabalhar nos novos (?) objetivos, sejam eles que tipos de correrias forem. Para a maioria de nós, o reinício é difícil, pois exige o regresso a uma rotina, sempre mais complicado depois de um período de descanso, lazer e diversão. Voltar à "realidade" consegue ser, a maior parte das vezes, um tanto ou quanto penoso.
No meu caso em particular, voltar aos treinos implica voltar ao ginásio. É a melhor maneira de recuperar a forma física anterior e até de melhorá-la, para que, depois, toda a restante atividade física (como a corrida) seja praticada com a maior eficácia possível e o mínimo risco de lesões. Muito bem, chegaram ao ginásio. Se derem uma vista de olhos rápida à vossa volta, com certeza que já repararam na quantidade de pessoas que desperdiçam o seu tempo de treino. Seja na conversa, a distrairem-se com a televisão, ou simplesmente a fazerem exercícios pouco eficientes. Já as pessoas em melhor forma física são aquelas que realizam um treino extremamente eficiente, que vão ao ginásio com objetivos bem definidos e com vontade de realizar exercícios realmente úteis. Exato, não é só genética. As pessoas que têem resultados visíveis são as que treinam a sério! Se quiserem obter resultados, aqui ficam alguns dos erros mais comuns que as pessoas costumam cometer nos ginásios. Não os imitem. Só serve para desperdiçar tempo de treino.

Erro nº 1: Longos períodos de descanso entre exercícios

No ginásio, as pausas entre os exercícios devem ser curtas, pois isso eleva a frequência cardíaca e aumenta a libertação de hormonas que "queimam" gordura. Além disso, quando as pessoas não cumprem os seus períodos de descanso, tornam-se descuidadas com as cargas e as repetições e muita coisa fica esquecida. Também não conseguem obter os benefícios metabólicos de puxarem por si mesmos, o que significa que vão boicotar os efeitos de qualquer alteração na sua composição corporal. O grande problema para a maioria das pessoas é que aproveitam o descanso entre exercícios ou entre séries de exercícios para falarem com o amigo do lado, ou para fazerem uma visita "rápida" ao Facebook e, quando se dão conta, os 30 segundos de descanso já vão em 2 ou 3 minutos. Lá se foram os efeitos metabólicos e a perda de gordura ao ar. Dêem aos períodos de descanso a mesma atenção que dão às séries de exercícios e repetições. Façam um plano e temporizem os exercícios com um relógio. Para a perda de gordura e ganho de massa muscular é frequente usar-se tempos de descanso inferiores a 60 segundos. É fundamental que cronometrem o tempo, de preferência com um relógio e não com o telemóvel, para não caírem na tentação de ir só ver o e-mail num instante.

Erro nº 2: Deixar "cair" os pesos na fase excêntricas dos exercícios

É frequente ver os iniciados a “lançarem” os pesos quando os levantam, usando o impulso para os levantar e deixarem os pesos cair descontroladamente na descida. Este é um grande erro, porque é durante o movimento para baixo (ou "excêntrico") que se desencadeia o crescimento muscular máximo. Controlar o movimento de cada repetição é fundamental! A cadência do exercício é um dos parâmetros fundamentais para um correcto e evolutivo treino. Devem sempre baixar o peso de forma controlada e seguir um determinado ritmo. O tempo é o número específico de segundos utilizados para o exercício de levantar ou baixar, para obterem os resultados desejados. Tempos excêntricos mais longos, até 4 segundos, são, por exemplo, bons para se atingir objectivos relacionados com a composição corporal. Por isso da próxima vez que forem levantar um haltere, pensem bem em controlar a velocidade quer na subida, quer na descida do exercício.

Erro nº 3: Aquecimentos intermináveis

Aquecimentos intermináveis são uma óptima maneira de adiar o início do treino propriamente dito. A grande maioria das pessoas perde tempo valioso a caminhar na passadeira, a fazer exercícios funcionais, a beber água, a conversar... enfim, a mexer os 660 músculos do seu corpo, mas sem os colocar a treinar a sério. O grande problema é que, sem se aperceberem, já passaram 20 minutos sem que tenham tocado num peso. É indiscutível que o aquecimento é de suma importância, porque aumenta o fluxo de sangue, estimula o sistema nervoso e eleva a temperatura corporal e a frequência cardíaca. A melhor maneira de o fazer é mantendo-o curto (menos de 10 minutos e perto de 5 para a maioria das pessoas) e específico para o tipo de treino que pretende realizar. Não traz qualquer benefício fazer "grandes" aquecimentos. Para o treino de força, o aquecimento deve fazer-se com o peso do próprio corpo, utilizando os próprios exercícios do treino com baixa carga para aumentar a frequência cardíaca e aquecer os músculos necessários para produzir força e energia para o seu treino específico daquele dia. Se preferirem um aquecimento mais dinâmico, podem fazer algumas séries de sprints curtos (por exemplo de 40 segundos), entre 70% e 80 % do vosso máximo, para preparar especificamente os músculos. Alguns estudos têm revelado que fazer um ciclo de sprints resulta num melhor desempenho ao nível da força máxima no agachamento e supino. Também faz aumentar mais os níveis de testosterona do que um aquecimento de marcha, ambiente metabólico ideal para o treino de força. Por isso, não percam tempo e energia num aquecimento "de horas". Não vale a pena! Sejam objectivso e eficientes.

Erro nº 4: Ficarem "presos" à televisão e aos telemóveis

Todos nós sabemos que estas novas tecnologias são o maior "sugador" de tempo do planeta, mas em matéria de treino, isto não parece fazer muita diferença na forma como a maioria das pessoas se comporta. O treino de força exige um nível de concentração e uma intensidade que se perdem totalmente se estivermos distraídos. Um conselho muito simples: deixem o telemóvel no cacifo. A sério! E se tiverem o vosso programa de treino no telemóvel ou tablet, o melhor que têm a fazer é imprimi-lo. Se por algum motivo não puderem fazer isso, coloquem o telemóvel em modo “avião”, para que não sejam tentados a ver mensagens recebidas, receber chamadas ou fazer aquelas visitas "rápidas" às redes sociais. Se a vossa "desculpa" for a música, arranjem um leitor de música separado do telemóvel e que não tenha acesso a rede sem fios. Vocês conhecem-se como ninguém, por isso arranjem estratégias específicas para não se distraírem durante o treino. A dinâmica do treino, principalmente os tempos de descanso e os tempos de transição entre exercícios, não devem ser alterados, sob pena de fracassarem nos vossos resultados.

Erro nº 5: Usar o cardio incorrectamente

Os equívocos sobre cardio abundam: tem-se dito que é necessário para a saúde do coração, para perder gordura corporal e para o desenvolvimento de uma base aeróbica. O certo é que as pessoas acabam por perder horas com este tipo de exercício, obtendo poucos resultados satisfatórios. Não se trata de dizer que a saúde cardiovascular não é importante. É! Mas podem conseguir benefícios cardíacos e musculares com exercícios intervalados e treino de força em menos tempo do que com o cardio de longa duração e baixa intensidade. Podem inclusivamente conseguir perder gordura muito mais rapidamente com o treino de força e treino intervalado.

Erro nº 6: Alguns parceiros de treino

Existem muitos benefícios em treinar acompanhado. Um bom parceiro de treino vai estimular-vos a trabalhar mais e a desafiar os vossos próprios limites, dar dicas técnicas, fazer o tempo passar mais rapidamente e dar um ânimo nos dias mais difíceis. No entanto, um mau parceiro de treino pode "destruir" o vosso treino: perder tempo a socializar, distracções com o telemóvel, queixar-se do treino ou do corpo, parar de fazer exercícios cedo demais e não usar as cargas correctamente, são alguns exemplos. A lista poderia continuar, mas já devem ter percebido a ideia. Escolham um parceiro de treino de forma inteligente. Deverá ser alguém com objectivos semelhantes aos vossos, alguém em quem confiem para realizar o vosso treino com o mesmo objectivo. Se assim for irá ao ginásio convosco efectivamente para treinar! Uma dica: idealmente, tentem encontrar alguém com um nível um pouco mais avançado do que o vosso, para que vos leve a dar o máximo.

Erro nº 7: Carga leve e muitas repetições

A menos que estejam num processo de reabilitação de uma lesão, ou numa fase muito específica de uma preparação física, não há qualquer benefício em utilizar cargas leves e muitas repetições. Esta estratégia não tonifica os músculos, porque é demasiado fácil para produzir quaisquer alterações, quer no tamanho dos músculos quer a nível da gordura que cobre os músculos. Se não vos torna mais fortes, então, porque o fariam? Mas as pessoas fazem-no todos os dias e mesmo quando pensam que estão a levantar pesos "pesados", raramente tal sucede. Estudos mostram que a maioria das pessoas que levanta pesos fica muito aquém do que poderia fazer e levantam pesos que ficam 30 por cento abaixo do peso mais leve necessário para produzir qualquer benefício. O caminho para ficar magro e melhorar a “definição” muscular é treinar com pesos aos quais não estão habituados. Podem começar por fazer entre 8 a 12 repetições por série, utilizando um peso que vos leve ao limite, quando fizerem a última repetição. Como podem verificar, muitos são os erros que nos podem levar a desperdiçar desnecessariamente o nosso valioso tempo no ginásio. Tempo, neste contexto, significa dinheiro, energia e expectativas frustradas. Para conseguirem resultados têm que utilizar um dos princípios-chave para a obtenção de resultados: a consistência. Os resultados chegam quando se escolhe um tipo de treino que se repete durante um determinado período de tempo, fazendo-se pequenas alterações periodicamente e sendo consistente na sua execução. Portanto façam o que fizerem, sejam consistentes e acima de tudo respeitem o vosso treino. "Train hard! Your body will thank you."
Dom | 03.01.16

Skechers GoRun Ultra Road, os ténis com o máximo amortecimento

José Guimarães
Depois dos modelos GOrun Ultra e GOrun Ultra 2, a Skechers apresenta os novos GOrun Ultra Road. Com a tecnologia M-STRIKE (Mid Foot Strike), estas sapatilhas neutras de running oferecem o máximo amortecimento, são respiráveis e muito resistentes. O modelo combina a tecnologia Resalyte® na sola e entressola, numa dupla camada com duas densidades diferentes, que proporciona uma maior absorção do impacto e suporte. A camada mais suave acomoda o pé e oferece mais  conforto e estabilidade na passada. A sola dispõe de sensores GOimpulse que, distribuídos estrategicamente em toda a sola, impedem que elementos externos do solo se cravem ou incrustem na sola, o que proporciona uma passada suave e segura. Além disto, esta tecnologia permite uma maior tração em qualquer tipo de terreno, bem como maior durabilidade. Os GOrun Ultra Road têm um drop de 4 mm e o peso é de 275g no modelo de homem (tamanho 42) e de 218,3g no modelo de senhora (tamanho 36). O upper leve foi concebido com o tecido Skechers Performance Fiknit, a mais recente inovação da marca em respirabilidade, que também oferece um cómodo ajuste e maior leveza. Preço: Homem - 119,95 € | Senhora - 109,95 € A coleção da marca está disponível nas lojas Skechers do C.C. Fórum Almada, C.C. Vasco da Gama, C.C. Colombo, C.C. Cascaishopping, Forum Algarve, Algarve Shopping, C.C. Arrábida Shopping, Fórum Coimbra, C.C. The Style Outlet. Os modelos da marca estão também à venda nas lojas Sport Zone e em outros pontos de venda autorizados.